Logo PARAÍBA.com.br

20 de April de 2014


Chapéus: veja quando, onde e como usar esse acessório

12/08/2011 | 18h12min

A atriz Joely Fisher quis brincar com o acessório e escolheu um chapéu de palha com uma aranha presa na lateral. Há opções para todos os gostos. Look total informal - Foto: Getty A atriz Joely Fisher quis brincar com o acessório e escolheu um chapéu de palha com uma aranha presa na lateral. Há opções para todos os gostos. Look total informal - Foto: Getty

Com força total neste inverno, os chapéus surgiram nos desfiles das temporadas de moda mais importantes do mundo, nos casamentos das celebridades, em festas badaladas e nos programas de TV. "Os chapéus estão com tudo porque as pessoas estão perdendo o medo de usar.O acessório pode ser um grande aliado na hora de montar um look", diz Marcia Jorge, stylist e consultora de imagem e estilo.

Pensando nisso, fomos atrás de especialistas para descobrir quando, onde e como usar a peça, além dos modelos que estão em alta e, claro, regrinhas de etiqueta para ninguém passar vergonha durante um evento.


QUEM PODE USAR?
De acordo com a consultora de estilo Chris Francini, a idade não interfere no uso do acessório. "O que se deve analisar é se a pessoa tem ou não o estilo para se sentir bem e, claro, pensar na roupa que está vestindo, no ambiente que frequenta ou em que ocasião, pois, afinal, a moda é democrática."

PARA CADA OCASIÃO, UM CHAPÉU
Segundo Paula Martins, consultora de estilo, é preciso levar em conta o tipo do chapéu. Para um traje esportivo, por exemplo, ela indica o modelo panamá, que vai bem num passeio durante o dia, com camisa, short com pregas e sandália sem salto. O modelo mais moderno, como o de feltro, é bem-vindo para quem quer sair para dançar com um look de 'pegada' mais rock and roll, como calça de couro, camiseta podrinha e casaco. Já nas festas mais elegantes, como casamento ao ar livre, o acessório deve vir acompanhado de um look mais formal, como um terninho ou um vestido sem brilhos e em tons parecidos, afinal, o chapéu é a peça-chave.

Foto: Getty Images

O modelo fedora, usado pela cantora Madonna, é uma excelente opção para looks despretensiosos

APOSTAS PARA O VERÃO
Marcia Jorge aposta no modelo fedora, anteriormente exclusivo entre os homens e que começou a ser usado pelas mulheres com cores e tecidos divertidos. "Ele foi ressuscitado pelos rappers americanos e, logo em seguida, ganhou espaço entre as celebridades e os jovens", diz a profissional. O modelo cowboy, que ganhou versões em palha, lona e tecido, foi parar além do universo dos rodeios. Há também os maxi chapéus de palha com as abas retas ou mais caídas (floppy), feitos em cores e tipos de palha deferentes.

CAMPEÃO DE VENDAS
O modelo panamá, que ficou conhecido quando os operários do Canal do Panamá usaram para se proteger do sol e foi imortalizado quando, em 1906, o presidente norte-americano Roosevelt viajou e foi fotografado usando um exemplar. "Em sua cor clássica, o branco, é um velho conhecido entre os homens que, posteriormente, foi adotado pelas mulheres estilosas em visuais deliciosamente informais, como o jeans ou vestidos", explica Marcia.

ETIQUETA
Casamento

Em uma cerimônia religiosa, segundo Chris Francini, o uso do chapéu só é correto se a cerimônia for de dia. Tirá-lo não tem sentido, pois faz parte de sua produção. De manhã, prefira abas pequenas. Ao meio-dia e ao fim da tarde aposto nos modelos com abas mais largas. "Pense que a peça não é obrigatória, a não ser que venha mencionado no convite, então use-o se estiver segura e confortável com o acessório". No caso de casamentos à noite, adornos menores, como os famosos modelos usados pela princesa Kate Midletton, são mais interessantes.

Foto: Getty Images Ampliar

Quando a cerimônia religiosa é feita durante o dia, o uso do chapéu é permitido, como ocorreu no casamento de Kate Middleton e o príncipe William

Trabalho
"O uso do chapéu no trabalho vai depender da vida profissional da pessoa. Em um escritório mais descolado não há problema, mas em lugares formais é melhor deixar o acessório de lado para não errar, pois muitas vezes ele pode passar a ideia de leveza e descontração", diz Paula Martins.

IG