Logo PARAÍBA.com.br

23 de December de 2014


Pastor e vereador do DEM é acusado de abusar sexualmente de menor

12/10/2011 | 10h31min

O pastor e vereador pelo DEM por Maceió, é acusado de ter abusado sexualmente de um menor, na cidade de Paranaguá (PR).

O pastor e líder da Igreja do Evangelho Quadrangular em Alagoas, João Luiz, também vereador pelo DEM por Maceió, é acusado de ter abusado sexualmente de um menor, na cidade de Paranaguá (PR). De acordo com Anderson da Luz Rocha, que fez a denúncia, João Luiz o abusou sexualmente durante seis anos, de 1984 a 1990.

Os abusos começaram, segundo a suposta vítima, hoje com 42 anos, quando ele tinha 16 e frequentava a Igreja Quadrangular, da qual o vereador era pastor. Rocha, que atualmente é pastor do Templo Besteda, procurou a Polícia, em agosto de 2007, e confeccionou um Boletim de Ocorrência.

O passo seguinte foi acionar João Luiz judicialmente e, de acordo com Rocha, o processo corre em segredo de Justiça.

“O João Luiz chegou aqui em Paranaguá em 1983 e eu já era da Igreja. Eu sou negro, era pobre, não tinha nada. Ele me procurou e disse que queria conversar. Eu disse que tinha o sonho de ser pastor e ele me disse que eu poderia ficar na igreja durante as manhãs, eu aceitei e ele ia me pegar e me deixar em casa todos os dias. Eu imaginei que ele estava fazendo isso por conta do meu sonho de ser pastor, achei que ele era um homem de Deus”, relata Rocha.

Ainda segundo Anderson o pastor passou a lhe trazer comida, “ele me dava roupas e perfumes caros, em troca disso mantinha uma relação homoafetiva comigo”, completa. 

Em 1988, Rocha contou que foi convidado a vir para Maceió com o pastor. “Ele disse que se eu não aceitasse e denunciasse iria acabar comigo”, colocou. Até 1990, Rocha morou na capital alagoana, quando decidiu que iria voltar para o Paraná.

“Ele me obrigava a ter relações sexuais com ele. Mas, chegou um ponto em que eu não agüentava mais e disse que iria embora, fiz um escândalo e disse que se ele não me deixasse ir contaria para a mulher dele”.

Rocha disse ainda que João Luiz teria ido a Paranaguá buscá-lo e naquela cidade, o religioso teria dito a pastores da Quadrangular que o jovem se vestia de mulher em Maceió para trabalhar como garota de programa, “mas, ele até me mandou uma carta dizendo que estava com saudades. Tenho tudo isso guardado e está anexado ao processo”, disse Rocha.

Rocha só decidiu procurar a Polícia e a Justiça em 2007, motivado por informação de que João Luiz o estava acusando de ameaça. Indagado do porquê dessa decisão tardia, ele disse que tinha medo que ninguém acreditasse nele.

“Um jovem negro, pobre, filho de empregada doméstica diante de um pastor como ele? Era muito difícil, mas foi complicado também falar de tudo isso depois de tanto tempo, eu já era casado e tive que contar para minha esposa e a família dela. Não quero indenização nem nada, só quero que ele seja punido”, frisou.

Rocha contou ainda que antes disso enviou uma carta ao Pastor João Luiz pedindo que ele não o procurasse mais. Depois disso Rocha ficou sabendo que João Luiz havia procurado a polícia para dizer que estava sendo extorquido e ameaçado.

Audiência

No dia 31 de agosto foi realizada a primeira audiência do caso. De acordo com Rocha, João Luiz não compareceu e mandou dois advogados. Ainda segundo Rocha, os advogados o intimidaram dizendo que se ele não desistisse do processo iria ser preso por calúnia e difamação.

Há dias a reportagem tenta contato com o Pastor João Luiz, na Câmara Municipal, na sessão de quarta-feira (02), mas ele não compareceu ao Poder Legislativo Municipal.

No mesmo dia, a reportagem foi até a sede da Igreja Quadrangular, no bairro da Ponta Grossa, e uma funcionária informou que João Luiz teria ido a um funeral, no interior do estado.

Por fim a reportagem do Cada Minuto tentou entrar em contato com o parlamentar pelo celular, mas o telefone dele encontra-se desligado.

Defesa rebate acusações e diz que processo corre em segredo de justiça

Folha do Sertão
Redação