Logo PARAÍBA.com.br


RC manda recado para bancada e revela que deve vetar emendas; Cajazeiras pode ter voo regular

2011-12-22 15:17:00.0

O governador Ricardo Coutinho (PSB) respondeu perguntas aos jornalistas após grande e detalhada explanação sobre o primeiro ano de governo. Durante as respostas o governador revelou que está lutando para implantar um vôo regular para Cajazeiras e reclamou da bancada de deputados, tanto situação quanto oposição, na Assembleia Legislativa (AL).

Coutinho também afirmou que o governo deve investir em 2012 cerca de R$ 2 bilhões de reais.

Confira temas abordados:

Avaliação da bancada de sustentação e de oposição

“Eu acho que sempre é possível fazer um pouco mais e um pouco melhor. Eu acho que nós podemos e devemos fazer mais e melhor. É claro que ninguém é obrigado a compreender a extensão das coisas que estamos fazendo. Algumas vezes você tem que derrubar um determinado muro e desagradar alguém. Eu espero que haja uma maior concordância com esse projeto. Ninguém é obrigado a ser situação ou oposição, as pessoas são porque fazem uma análise do que seria mais importante para a coletividade. A nossa bancada muitas, até por falta de informação do Executivo, talvez não tenha conseguido compreender o montante de coisas que estava em curso. Eu também acho que o governo não vai e não pode atender tudo. Só para dar um exemplo, nós dialogamos cinco vezes com o governo federal (sobre o porto de Cabedelo), mas até agora não fomos atendidos. Tem muita coisa que não é possível fazer, tem coisa que é preciso ter a coragem e o respeito ao próximo para dizer que não será possível. Nós vamos ter cada vez mais um convergência nesses interesses para que os projetos possam ser defendidos ou atacados na lógica dos interesses. Se faltou informação, vamos municiar muito a nossa bancada no próximo ano. Ninguém é obrigado a ficar em canto nenhum. Nós somos convencidos a isso. Mesmo assim eu agradeço a nossa bancada e a Assembleia a aprovação de interesses do governo. O governo aprovou todos os projetos. Queremos construir uma proximidade maior, desde que esteja dentro do interesse público”.

Mais de 300 emendas de deputados no LOA

“(Muitas emendas retiraram dinheiro da Secretaria de Comunicação) Vou analisá-las. Não recebi ainda o Orçamento. Acho uma visão muito simplista e obtusa achar que informação é algo que deva ser dispensado em função de outra coisa. É não compreender o papel da informação. Não nos interessa fazer a grande publicidade construindo uma realidade que não existe. A informação é importante para municiar a população para que ela cobre mais do governo e saiba onde o dinheiro está sendo investido. A publicidade é importante para que a população possa ter no estado as suas necessidades atendidas. É muito obtuso. Por um lado demonstra o medo daqueles que se contrapõem ao nosso projeto, que constroem um rosário de acusações. Mas as pesquisas mostram que o povo apóia o governo. O povo não é bobo, não gira nessa lógica. As pessoas têm capacidade de tirarem suas conclusões e a publicidade institucional serve para isso. (Em relação as emendas) Vou analisar aquilo que pode ser aceitado, independente de cor partidária. O que não for possível será naturalmente vetado”.

Aeroporto Cajazeiras

“(O repórter perguntas sobre a construção de uma cerca para que o aeroporto possa receber vôos) Vamos fazer em 2012 a cerca. Eu procurei a Gol sobre a possibilidade de eles terem vôo para Cajazeiras. Mas não posso anunciar coisas que não foram concretizadas. Não posso dizer que vou fazer uma estrada sem ter os recursos. Naquele aeroporto regional entra a parte dos interesses privados. O governo do estado não tem como fazer uma empresa operar lá, podemos convencer. Eu e Rômulo estamos envolvidos para que algum vôo de integração regional saia e chegue de Cajazeiras”.

Greves

“Alguns setores quiseram fazer greve e o estado não podia dar o que queriam com 58% de comprometimento da Lei de Responsabilidade fiscal...e particularmente algumas categorias que reivindicavam eram as que ganhavam mais que as demais. Precisavam compreender o momento da Paraíba. E esse momento não foi causado em 2011, foi causado antes. Algumas categorias compreenderam e perceberam que o governo não pode se pautar fora do dever público. Eu não posso parar uma emergência de um hospital, ou parar a arrecadação do estado. Tem os limites éticos. Nesse ponto o governo não pode negociar porque coloca em risco os interesses da coletividade. E ficou claro que quando o governo pode dar o reajuste deu um reajuste considerável, só quem tem seus interesses não foi capaz de reconhecer. Essa vai ser a postura do governo. O governo respeita profundamente o direito das categorias, mas respeita sobretudo o direito da população”.

Cagepa

“A adutora São José, em Campina, voltou a estar em obras porque estava no Tribunal de Contas da União. Para os municípios do brejo estamos trabalhando em Camará, para que daqui a 18 meses possamos ter normalizado o abastecimento de água. Existem também muitos municípios com estações ultrapassadas, da década de 70. O Estado está licitando seis estações de tratamento compactas para colocarmos em cidades do alto sertão, como Carrapateira e Triunfo. Conseguimos uma emenda para o próximo ano para a adutora de Boqueirão. Serão R$ 18 milhões conseguidos pelo deputado Efraim filho. Fui ontem (21/12) ao Ministério da Integração para ver uma saída para Aroeiras. Existe a barragem de Aacauã em Aroeiras e não tem água lá. Estamos buscando dar respostas que não podem ser de uma única vez, isso seria impossível. Aprovamos R$ 5 milhões da Funasa para Queimadas. A arrecadaão da Cagepa aumentou 30% porque começamos a colocar hidrômetro. A água que antes chegava uma vez a cada 15 dias, hoje chega três vezes por semana. Estamos tentando negociar o passivo da Cagepa. Queremos contratar mais pessoal. Serão contratados outras pessoas para melhorar a leitura das contas e instalação, ligação de água... A companhia melhorou, mas precisa melhorar muito mais”.

Tributação das compras via Web

“Vamos apelar para o pleno e essa é uma pauta dos governadores do Estado, da presidência e do Brasil. Nós vamos adiante. Se você não tem os custos que o comércio formal tem, se concentra essa venda de uma forma virtual e o que baixa (no valor da venda) é a retirada de um imposto, penalizando os estados mais pobres... Esse é um problema de todos os estados. Já existe um protocolo de alguns estados que já prevêem o que diz aquela lei. A gente não pode tratar isso como se fosse algo como o meu desejo ou não. O meu desejo de fazer uma compra pela internet pode ser perfeitamente atendido. O que não pode é essa diferença de preço se dar somente em cima do estado que vende e não do estado que consume que é de onde sai o dinheiro. Eu vejo isso como um grave erro daqueles que defendem o contrário. Isso penaliza o nosso maior fornecedor de empregos, que é o comércio”.

Guindastes para Cabedelo

“Temos projeto para uO governador Ricardo Coutinho (PSB) respondeu perguntas aos jornalistas após grande e detalhada explanação sobre o primeiro ano de governo. Durante as respostas o governador revelou que está lutando para implantar um vôo regular para Cajazeiras e reclamou da bancada de deputados, tanto situação quanto oposição, na Assembleia Legislativa (AL).

Coutinho também afirmou que o governo deve investir em 2012 cerca de R$ 2 bilhões de reais.

Confira temas abordados:

Avaliação da bancada de sustentação e de oposição

“Eu acho que sempre é possível fazer um pouco mais e um pouco melhor. Eu acho que nós podemos e devemos fazer mais e melhor. É claro que ninguém é obrigado a compreender a extensão das coisas que estamos fazendo. Algumas vezes você tem que derrubar um determinado muro e desagradar alguém. Eu espero que haja uma maior concordância com esse projeto. Ninguém é obrigado a ser situação ou oposição, as pessoas são porque fazem uma análise do que seria mais importante para a coletividade. A nossa bancada muitas, até por falta de informação do Executivo, talvez não tenha conseguido compreender o montante de coisas que estava em curso. Eu também acho que o governo não vai e não pode atender tudo. Só para dar um exemplo, nós dialogamos cinco vezes com o governo federal (sobre o porto de Cabedelo), mas até agora não fomos atendidos. Tem muita coisa que não é possível fazer, tem coisa que é preciso ter a coragem e o respeito ao próximo para dizer que não será possível. Nós vamos ter cada vez mais um convergência nesses interesses para que os projetos possam ser defendidos ou atacados na lógica dos interesses. Se faltou informação, vamos municiar muito a nossa bancada no próximo ano. Ninguém é obrigado a ficar em canto nenhum. Nós somos convencidos a isso. Mesmo assim eu agradeço a nossa bancada e a Assembleia a aprovação de interesses do governo. O governo aprovou todos os projetos. Queremos construir uma proximidade maior, desde que esteja dentro do interesse público”.

Mais de 300 emendas de deputados no LOA

“(Muitas emendas retiraram dinheiro da Secretaria de Comunicação) Vou analisá-las. Não recebi ainda o Orçamento. Acho uma visão muito simplista e obtusa achar que informação é algo que deva ser dispensado em função de outra coisa. É não compreender o papel da informação. Não nos interessa fazer a grande publicidade construindo uma realidade que não existe. A informação é importante para municiar a população para que ela cobre mais do governo e saiba onde o dinheiro está sendo investido. A publicidade é importante para que a população possa ter no estado as suas necessidades atendidas. É muito obtuso. Por um lado demonstra o medo daqueles que se contrapõem ao nosso projeto, que constroem um rosário de acusações. Mas as pesquisas mostram que o povo apóia o governo. O povo não é bobo, não gira nessa lógica. As pessoas têm capacidade de tirarem suas conclusões e a publicidade institucional serve para isso. (Em relação as emendas) Vou analisar aquilo que pode ser aceitado, independente de cor partidária. O que não for possível será naturalmente vetado”.

Aeroporto Cajazeiras

“(O repórter perguntas sobre a construção de uma cerca para que o aeroporto possa receber vôos) Vamos fazer em 2012 a cerca. Eu procurei a Gol sobre a possibilidade de eles terem vôo para Cajazeiras. Mas não posso anunciar coisas que não foram concretizadas. Não posso dizer que vou fazer uma estrada sem ter os recursos. Naquele aeroporto regional entra a parte dos interesses privados. O governo do estado não tem como fazer uma empresa operar lá, podemos convencer. Eu e Rômulo estamos envolvidos para que algum vôo de integração regional saia e chegue de Cajazeiras”.

Greves

“Alguns setores quiseram fazer greve e o estado não podia dar o que queriam com 58% de comprometimento da Lei de Responsabilidade fiscal...e particularmente algumas categorias que reivindicavam eram as que ganhavam mais que as demais. Precisavam compreender o momento da Paraíba. E esse momento não foi causado em 2011, foi causado antes. Algumas categorias compreenderam e perceberam que o governo não pode se pautar fora do dever público. Eu não posso parar uma emergência de um hospital, ou parar a arrecadação do estado. Tem os limites éticos. Nesse ponto o governo não pode negociar porque coloca em risco os interesses da coletividade. E ficou claro que quando o governo pode dar o reajuste deu um reajuste considerável, só quem tem seus interesses não foi capaz de reconhecer. Essa vai ser a postura do governo. O governo respeita profundamente o direito das categorias, mas respeita sobretudo o direito da população”.

Cagepa

“A adutora São José, em Campina, voltou a estar em obras porque estava no Tribunal de Contas da União. Para os municípios do brejo estamos trabalhando em Camará, para que daqui a 18 meses possamos ter normalizado o abastecimento de água. Existem também muitos municípios com estações ultrapassadas, da década de 70. O Estado está licitando seis estações de tratamento compactas para colocarmos em cidades do alto sertão, como Carrapateira e Triunfo. Conseguimos uma emenda para o próximo ano para a adutora de Boqueirão. Serão R$ 18 milhões conseguidos pelo deputado Efraim filho. Fui ontem (21/12) ao Ministério da Integração para ver uma saída para Aroeiras. Existe a barragem de Aacauã em Aroeiras e não tem água lá. Estamos buscando dar respostas que não podem ser de uma única vez, isso seria impossível. Aprovamos R$ 5 milhões da Funasa para Queimadas. A arrecadaão da Cagepa aumentou 30% porque começamos a colocar hidrômetro. A água que antes chegava uma vez a cada 15 dias, hoje chega três vezes por semana. Estamos tentando negociar o passivo da Cagepa. Queremos contratar mais pessoal. Serão contratados outras pessoas para melhorar a leitura das contas e instalação, ligação de água... A companhia melhorou, mas precisa melhorar muito mais”.

Tributação das compras via Web

“Vamos apelar para o pleno e essa é uma pauta dos governadores do Estado, da presidência e do Brasil. Nós vamos adiante. Se você não tem os custos que o comércio formal tem, se concentra essa venda de uma forma virtual e o que baixa (no valor da venda) é a retirada de um imposto, penalizando os estados mais pobres... Esse é um problema de todos os estados. Já existe um protocolo de alguns estados que já prevêem o que diz aquela lei. A gente não pode tratar isso como se fosse algo como o meu desejo ou não. O meu desejo de fazer uma compra pela internet pode ser perfeitamente atendido. O que não pode é essa diferença de preço se dar somente em cima do estado que vende e não do estado que consume que é de onde sai o dinheiro. Eu vejo isso como um grave erro daqueles que defendem o contrário. Isso penaliza o nosso maior fornecedor de empregos, que é o comércio”.

Guindastes para Cabedelo

“Temos projeto para um guindaste para Cabedelo. Nós já demos entrada na Secretaria de Portos e no Ministério do Planejamento e falamos com Dilma Rousseff no sentido de investir cerca de R$ 600 milhões no porto. A primeira etapa seria o aprofundamento do cais, ampliação desse cais para que caiba pelo menos mais dois navios e ampliação da área de estocagem, tudo isso daria mais de R$ 300 milhões. Não houve liberação de recursos, mas eu tenho lutado muito para que isso ocorra. Todos os projetos estão sendo feitos e nós estamos buscando avançar no sentido de modernizar o nosso porto”.m guindaste para Cabedelo. Nós já demos entrada na Secretaria de Portos e no Ministério do Planejamento e falamos com Dilma Rousseff no sentido de investir cerca de R$ 600 milhões no porto. A primeira etapa seria o aprofundamento do cais, ampliação desse cais para que caiba pelo menos mais dois navios e ampliação da área de estocagem, tudo isso daria mais de R$ 300 milhões. Não houve liberação de recursos, mas eu tenho lutado muito para que isso ocorra. Todos os projetos estão sendo feitos e nós estamos buscando avançar no sentido de modernizar o nosso porto”.


Paulo Dantas