Logo PARAÍBA.com.br

25 de October de 2014


Notas do Enem mostram queda no rendimento dos alunos; saiba mais

26/11/2013 | 08h53min

Foram divulgadas as notas do Exame Nacional do Ensino Médio do ano passado, mas o resultado não foi muito animador não. O rendimento dos alunos caiu em quase todas as matérias, e foi pior ainda nas redações. Tantos os alunos da rede pública quanto os das escolas particulares tiraram notas mais baixas que as do ano passado.

O Ministério da Educação criou um novo sistema para as escolas que agora podem comparar o desempenho de cada aluno com as notas de todo o país.

A partir desta terça-feira (26), o aluno que fez o Enem no ano passado vai poder ver todas as notas, detalhadas,e compará-las com a média do país. Mais fácil para identificar quais matérias precisa melhorar. Escolas também terão acesso.

“A escola vai ter uma boa análise. Vai ter a média geral, mas essa média esconde muita coisa. Ela precisa ter o desempenho de cada aluno. Ela vai saber exatamente como distribuir a nota de cada aluno, para fazer uma boa avaliação pedagógica, que é o que nos interessa”, afirmou o ministro Aloizio Mercadante.

De um modo geral o desempenho dos alunos em 2012 foi pior que em 2011. As notas das redações foram as que mais caíram, principalmente a dos alunos de escolas particulares. A média passou de 612 para 602 em uma escala que vai de zero a mil.

Queda também nas notas dos estudantes de escolas públicas estaduais e municipais. Só os alunos das públicas federais tiveram um aumento, mas muito pequeno. A média da redação deles passou de 612 para 613.

Em linguagens - português e língua estrangeira - a média de todas as escolas caiu. Notas mais baixas também na prova de matemática das escolas particulares, que passou de 625 para 615. Já os estudantes das escolas públicas melhoraram.

O governo diz que tem a meta de melhorar o conhecimento dos alunos. A forma: aumentando a formação dos professores. A partir de fevereiro quem dá aula na rede pública estadual poderá fazer curso de formação continuada.

Serão 3 horas por semana de capacitação dentro da própria escola que trabalha. Não será obrigatório. Quem fizer, vai receber uma bolsa de R$ 200 por mês. O governo admite que é pouco, mas argumenta que é mais de 10% do piso nacional do professor, que hoje é de R$ 1,560 mil.

Bom Dia