Logo PARAÍBA.com.br

19 de April de 2014


Cantor acusado de estupro pode ser inocentado após resultados de exames darem negativos

15/01/2014 | 18h56min

A polícia ainda não confirma, mas informações chegadas ao conhecimento do repórter Washington Luiz, do Sistema Arapuan de Comunicação, informam que os exames de conjunção carnal que comprovariam que cantor e compositor Cristiano Silva  teria estuprado duas meninas de 12 e 15 anos, deram negativos.Caso essa informação seja confirmada pela polícia, o cantor poderá ganhar a liberdade a qualquer momento.  Luciano está preso desde o dia 4 de dezembro no ano passado Presídio Padrão de Santa Rita.

Defesa- A esposa do acusado, Karlene Silva, garantiu que “põe a mão no fogo pelo marido”. “A vida de Cristiano é em casa, é comigo, para feira, para casa, para o estúdio. Eu ponho a mão no fogo. Eu juro. Boto a mão no fogo”, desabafou.

Karlene acredita que tudo não passa de uma armação de um outro homem, conhecido como Josilvo, que a tem assediado. Foi Josilvo quem levou as duas meninas para prestarem queixa do presumível estupro. “Eu nunca dirigi a palavra a essa pessoa. Eu tinha ido ao estabelecimento da mãe dele quando ele me cantou. Eu estava com a minha filha e outra pessoa. Sai de lá imediatamente”, conta.

A mulher explica que teria sido a mando deste homem que as duas menores foram até sua casa pedir um CD ao marido, mesmo que tenham dito que não sabiam quem era ou onde morava o acusado de estupro.

Karlene também explica que estava com o carro indo em direção a igreja com uma amiga, na hora do acontecido, e além disso no seu carro o vidro do passageiro não sobe e o parabrisa está quebrado. Outro ponto em defesa de Cristiano é ele não tem arma, nem é grosseiro ou violento para conseguir segurar e obrigar duas meninas a manterem relação sexual à força. “Ele pesa 120 quilos, tem pressão alta e problema de ereção. Até comigo é devagar”, defende.

Por outro lado, vizinhos afirmam que Cristiano estava em frente a sua casa no momento em que as vítimas apontaram que estaria acontecendo o crime.


Paulo Cosme\Washington Luiz