Logo PARAÍBA.com.br


PM apreende um dos suspeitos pelo assassinato de estudante universitária durante assalto

2017-02-17 14:49:00.0

A Polícia Militar apreendeu no início da tarde desta sexta-feira (17) um dos suspeitos pelo assassinato da estudante Meirylane Thaís,19 anos morta com um tiro durante um assalto ocorrido no início da noite da última quarta-feira (15), no centro de João Pessoa. 

De acordo com a Polícia, o suspeito é um menor de 17 anos que foi apreendido na Comunidade Porto do Capim no Varadouro. 

Ele confessou que a estudante foi morta porque  ela esboçou reação no momento em que entregava o relógio. 

A policia trabalha agora para prender o segundo acusado que também tem 17 anos.  

"O adolescente contou que eles estavam atrás de dinheiro para ir a uma festa, aí disse que quando passaram pela jovem, o garupa mandou que ele voltasse para roubar o celular dela e que só escutou o disparo, tendo questionado momento depois da fuga se ele tinha matado a garota”, disse o capitão Souza, que coordenou a operação para apreender os acusados.

Sobre o crime - Meirylane Thaís,que cursava o 2º período do Curso de Biomedicina de uma universidade particular de João Pessoa, foi assassinada com um tiro durante um assalto ocorrido no início da noite desta quarta-feira (15) no centro de JoãoPessoa.

O tenente Santana, da Força Tática do 1º Batalhão, contou ao raepórter Washington Luiz do Sistema Arapuan de Comunicação que jovem, que tinha 19 anos, caminhava pela Rua Barreto Sobrinho e na esquina com a Rua Adelino Cunha, no bairro de Tambiá, ele foi abordada por dois homens de moto.

Um dos homens, sacou de uma arma, anunciou o assalto e exigiu que a universitária entregasse a bolsa. Ele fez como o bandido mandou e logo em seguida, ele exigiu ela entregasse também relógio.

Nervosa, a estudante demorou a tirar o relógio e nesse momento o homem disparou um tiro acertando a cabeça da estudante que morreu no local. Logo em seguida, os bandidos fugiram levando apenas a bolsa da universitária.

O Serviço de Atendimento Móvel (Samu) foi chamado apenas para constatar o óbito.


Paulo Cosme\Washington Luiz