Logo PARAÍBA.com.br


Justiça dá prazo de cinco dias para Banco do Brasil liberar empréstimos ao governo do Estado

2018-01-03 12:05:00.0

O Procurador-Geral do Estado, Gilberto Carneiro, comemorou a decisão do juiz plantonista José Ferreira Ramos Júnior, da 2ª Turma Recursal Permanente de João Pessoa, que determinou que o Banco do Brasil assine as operações de crédito que garantirão quase R$ 150 milhões ao governo do estado através de  dois empréstimos.  

De acordo com Carneiro, a decisão é importante para garantir que o Estado tenha acesso a esses recursos tendo em vista que todas as exigências estabelecidas na legislação foram atendidas com parecer definitivo da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e da Advocacia Geral da União (AGU). "A publicação no Diário Oficial é da autorização do Ministro em relação a certificação de que o estado teria todos os indicadores para efeito de contrair esse empréstimo", disse. 

Em relação à dívida que o Banco do Brasil afirma que o Estado tem devido à rescisão do contrato para administração da folha de pessoal. 

"A União concedeu garantia e o Banco do Brasil estava se recusando a fazer a assinatura do contrato sob alegação de que o estado teria dívida com o banco em decorrência da rescisão o contrato da prestação de serviços da folha de pagamento. Essa dívida o Estado não reconhece e está sendo objeto de discussão judicial", alegou.

Os empréstimos foram autorizados pela Assembleia Legislativa da Paraíba, por parecer da Procuradoria Jurídica do Estado e da Procuradoria da Fazenda Nacional, mas a instituição financeira se recusa a assinar as operações financeiras.

Segundo a defesa do Governo do Estado, o banco quer R$ 43 milhões referentes a pendências do encerramento dos serviços de processamento da folha de pessoal.

Os recursos são R$ 112.800.000,00, para obras de infraestrutura, e R$ 36,943,220,59, para o Minha Casa Minha Vida, afirmou a defesa do Executivo.

O juiz concedeu parte da tutela provisória e deu o prazo de cinco dias, após a notificação, para assinatura das operações sob pena de multa diária de 10% sob o valor do contrato de empréstimo.

Veja o documento na íntegra:

Novo Documento 2018-01-02.pdf


Marília Domingues / Fernando Braz