Policial

Polícia Civil deflagra operação 'Societas' e procura fraudadores acusados de golpe de R$ 4 milhões

A Polícia Civil da Paraíba, através da Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa (DDF) deflagrou nesta quinta-feira (18) a Operação 'Societas', dando cumprimento a 03 mandados de busca e apreensão nos bairros da Torre, José Américo e Geisel, em João Pessoa.

As investigações da DDF tiveram início em outubro de 2017, após denúncia feita pelas vítimas, de nacionalidade norueguesa, que firmaram uma sociedade (por isso o nome da operação: Societas) com os empresários Ioannis de Luna e Georges Souza para a construção de diversos imóveis e empreendimentos comerciais desde o ano de 2011.

As vítimas, então, assinaram procurações públicas, para que o empreendimento fosse administrado pelos investigados Ioannis e Georges, passando a acompanhar a sociedade à distância, através de mensagens de e-mail, whatsapp e ligações telefônicas (veja os prints de algumas conversas no final da matéria). O suspeito Ioannis convenceu as vítimas a assinarem diversos documentos, autorizando o depósito de valores nas suas contas pessoais, justificando que isto seria necessário, para que os noruegueses não sofressem punições internacionais. A partir da conclusão dos primeiros empreendimentos, as vítimas passaram a questionar os investigados sobre a prestação de contas, passando a receber documentos falsos e planilhas adulteradas, justificando uma série de despesas inexistentes.


A sociedade comercial construiu empreendimentos nos bairros de Intermares e Altiplano, durante os anos de 2011 a 2015 aproximadamente. Os noruegueses vieram passar férias no Brasil, em 2016, ocasião na qual buscaram contato mais próximo com os investigados, que passaram a desconfiar ainda mais das atitudes, pois os suspeitos passaram a apresentar diversas justificativas infundadas para que o encontro não acontecesse.

A esposa de uma das vítimas, brasileira e doutoranda na UFPB chegou a pedir que o suspeito Ioannis protocolasse sua tese de defesa na faculdade, enviando uma procuração pública para esta única finalidade, ocasião na qual o suspeito aproveitou a documentação enviada, adulterando-a e utilizando-a para desviar o restante dos valores relacionados aos empreendimentos, uma vez que temia a descoberta das fraudes. A vítima descobriu a existência de cinco procurações públicas adulteradas, utilizadas para desviar valores dos empreendimentos.

Confirmadas as condutas criminosas, as vítimas procuraram um advogado no Brasil, no início de 2017, dando início à coleta de documentos para posterior apresentação à DDF. A defesa das vítimas contratou diversos serviços particulares, em destaque uma auditoria fiscal e contábil, que confirmou a divergência na prestação de contas e o desvio de pelo menos R$ 3.394.000,00. Todo o material foi entregue à DDF em outubro de 2017, sendo analisado pela equipe e culminando na instauração de inquérito policial e na representação por algumas medidas cautelares.

Após o cumprimento dos mandados de busca, na manhã desta quinta-feira, a DDF comprovou que o suspeito Ioannis fugiu de seu endereço, situado no bairro do Geisel. A DDF conseguiu imagens do circuito interno, comprovando a fuga dele às 06h40 do dia 17 de janeiro. O suspeito Georges, conforme as diligências da DDF e informações apresentadas, foi também beneficiado por diversas transferências fraudulentas.


A DDF prosseguirá nas diligências, objetivando a localização dos suspeitos (nenhum dos suspeito foi localizado durante o cumprimento das buscas) e objetivando a responsabilização dos suspeitos e pedirá o bloqueio de todos os bens encontrados, para que o prejuízo seja ressarcido às vítimas. Quaisquer informações sobre os fatos investigados, poderão ser encaminhadas à DDF através do Disque-denúncia (197).


Redação

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com pelo whatsapp 83 98149 3906.