X
Dólar
Euro
Fri Nov 16 21:22:20 GMT-03:00 2018

Economia

Banco Central dos EUA deixa juros inalterados

2018-11-08 17:02:00.0

O Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) manteve nesta quinta-feira (8) as taxas de juros na faixa de 2% a 2,25%. A decisão já era esperada pelo mercado.

O último aumento ocorreu na reunião do Fed de setembro, quando as taxas estavam entre 1,75% e 2%.

Taxas de juros nos EUA
em %
em %mínimamáximajan 17fev 17mar 17abr 17mai 17jun 17jul 17ago 17set 17out 17nov 17dez 17jan 18fev 18mar 18abr 18mai 18jun 18jul 18ago 18set 18nov 1800,511,522,5
mai 17
● mínima: 0,75
Fonte: Fed

No comunicado, após a decisão, o Comitê de Política Monetária (Fomc, na sigla em inglês) indicou que houve pouca mudança na economia dos EUA desde a reunião de setembro. Além disso, pontuou que a inflação permanece perto da meta de 2% e que o desemprego está caindo.

"Os ganhos de emprego têm sido fortes, em média, nos últimos meses, e a taxa de desemprego diminuiu", disse o Fomc.

Os últimos dados mostraram que a economia dos EUA cresceu a uma taxa anualizada de 3,5% no terceiro trimestre, ante um avanço de 4,2% nos três meses anteriores.

O comitê também sinalizou que as decisões futuras sobre as taxas de juros vão levar em conta uma série de informações, incluindo as condições do mercado de trabalho e indicadores de inflação, além das condições internacionais.

Neste ano, o Fed já subiu os juros três vezes. O mercado avalia que as taxas devem voltar a subir em dezembro. Além disso, projeta três aumentos em 2019 e um no início de 2020.

 

Efeitos no Brasil

 

Quando os juros sobem nos Estados Unidos, a economia norte-americana se torna mais atraente para investimentos aplicados atualmente em outros mercados como o Brasil, motivando assim uma tendência de alta do dólar em relação ao real.

Os títulos do Tesouro americano, atrelados à taxa de juros norte-americana, são considerados o investimento mais seguro do mundo. No cenário de aumento de juros, esse fluxo de capital pode levar a uma tendência de alta do dólar em relação a moedas emergentes como o real.

A decisão de investimentos depende, entretanto, do apetite de risco dos investidores. Os mais conservadores tendem a procurar economias mais seguras para alocar seu capital, mesmo que paguem juros mais baixos. Em 2008, por exemplo, durante a crise do subprime nos Estados Unidos, a demanda por títulos do Tesouro americano cresceu.

G1

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Paraíba.com.br não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo após o encerramento das eleições de 2018.