Mundo

Software de espionagem governamental foi usado contra jornalistas no México, dizem pesquisadores

2018-12-05 08:33:00.0
Foto: Altieres Rohr/G1

Pesquisadores do Citizen Lab, da Universidade de Toronto, no Canadá, afirmaram que o software espião "Pegasus" foi utilizado contra jornalistas no México. O Pegasus é um software de espionagem altamente sofisticado, capaz de monitorar praticamente toda a atividade do celular, e é desenvolvido pela NSO Group, uma empresa de Israel que diz comercializar o programa apenas para autoridades policiais.

A NSO garante que seus clientes são fiscalizados para que o uso do software ocorra exclusivamente em investigações policiais e ações antiterrorismo, mas o Citizen Lab e a Anistia Internacional vêm divulgando casos em que o Pegasus é usado contra ativistas políticos e jornalistas.

O ativista canadense Omar Abdulaziz, que teve contato com o jornalista Jamal Khashoggi, morto em um consulado saudita em outubro, também foi vítima do Pegasus e moveu uma ação contra a empresa israelense por acreditar que o hacking foi realizado ilegalmente por autoridades sauditas. No México, são conhecidos 22 casos do uso do software e as vítimas incluem ativistas anticorrupção, advogados, políticos e até o filho de uma jornalista.

O novo caso aumenta a lista de vítimas mexicanas para 24 com dois colaboradores do jornal "Rio Doce", uma publicação fundada por Javier Valdez Cárdenas para investigar o crime organizado e o tráfico de drogas. Ele foi assassinado com 12 tiros em maio de 2017. Dois dias depois do assassinato, Andrés Villarreal, um colega de Cárdenas, recebeu uma mensagem afirmando que o assassino havia sido identificado.

A mensagem estava acompanhada de um link que, se fosse acessado, teria instalado o Pegasus no celular de Villarreal, de acordo com o Citizen Lab. Posteriormente, o diretor do "Rio Doce", Ismael Bojórquez, também receberia mensagens semelhantes. As mensagens nem sempre tinham temas diretamente ligados ao assassinato: uma delas, recebida por Villarreal dizia: "sei que falhei contigo e prometi me afastar, mas esta foto de nós juntos me fez lembrar de você". Algumas das mensagens teriam se disfarçado também de avisos de cobrança.

Os dois suspeitaram das mensagens e contratam a Artigo 19 e a Rede de Defesa de Direitos Digitais (R3D), duas organizações mexicanas parceiras do Citizen Lab. O caso foi remetido aos pesquisadores canadenses, que conseguiram identificar que a mensagem possuía links para uma infraestrutura digital previamente atribuída à NSO.

A NSO diz possuir um Comitê de Ética para garantir que seu produto não seja utilizado de forma indevida. Para o Citizen Lab, a continuidade dos problemas no México mostra que a NSO não está tomando medidas para impedir o uso abusivo do seu produto de espionagem.

Embora o Pegasus já tenha sido usado contra um alvo brasileiro, no momento não há indícios de que qualquer autoridade brasileira tenha ligações com a empresa.

G1

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Paraíba.com.br não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo após o encerramento das eleições de 2018.