Mundo

Cães farejadores são demitidos após legalização da maconha

2018-12-06 14:36:00.0
Foto: Ryan David Brown/The New York Times

O policial Tulo entregará seu distintivo em janeiro, forçado a se aposentar prematuramente por causa da diminuição da guerra contra a maconha nos Estados Unidos.

Em seus oito anos com o departamento de polícia de Rifle, no Colorado, Tulo, um labrador amarelo, ajudou com mais de 170 prisões na cidade de 9.000 habitantes. Mas uma de suas habilidades antiquadas não apenas não tem mais utilidade desde que o estado legalizou a maconha, mas também se tornou algo ruim: as decisões judiciais estaduais significam que o nariz afiado de Tulo por maconha põe em perigo seu trabalho em outros casos de drogas.

À medida que os estados e cidades afrouxam suas leis sobre drogas, os cães altamente treinados que seus departamentos de polícia usam para farejar narcóticos nem sempre conseguem cheirar a coisa certa.

"Um cão não pode dizer: 'Ei, eu cheiro maconha' ou 'eu sinto cheiro de metanfetamina'", disse Tommy Klein, chefe de polícia de Rifle. "Eles têm o mesmo comportamento para qualquer droga em que tenham sido treinados. Se Tulo fosse alertar sobre um carro, não teríamos mais um motivo para uma busca baseada apenas em seu alerta."

Trabalhadores caninos mais velhos em todo o país --e 14 cães treinados para farejar narcóticos no Canadá, onde a maconha começou a ser vendida no varejo no mês passado-- estão sendo retirados da força de trabalho. Quando o departamento de polícia em Winnipeg, no Canadá, foi comprar um filhote neste ano, o belga malinois que escolheram, chamado Ivy, chegou com uma vantagem mais moderna: ela não reage à maconha.

Em muitos lugares que legalizaram a droga, incluindo Califórnia, Oregon, Maine e Vermont, a maioria dos novos recrutas, como Ivy, não está mais sendo treinada para farejar maconha. E mesmo departamentos em estados onde a maconha continua proibida estão protegendo suas apostas.

“Eu acabei de treinar um cachorro para um departamento no Texas que me pediu para não colocar maconha nela”, disse Ron Cloward, dono da Top Dog Police K-9 Training and Consulting em Modesto, Califórnia. "Eles tinham a sensação de que poderia haver alguma mudança chegando, e eles queriam planejar com antecedência."

No Colorado, uma decisão do tribunal de apelações em 2017 ajudou a acelerar a aposentadoria de Tulo. Kilo, um cão farejador de drogas na zona rural do condado de Moffat, apontou para o caminhão de um homem por conter contrabando. Quando os policiais procuraram, encontraram um cano com o que parecia ser resíduo de metanfetamina.

Mas Kilo foi treinado para encontrar várias drogas, incluindo a maconha. Apesar de não ter encontrado maconha no caminhão, um painel de três juízes disse que o sinal de Kilo não era mais um indicador confiável de atividade ilegal. O tribunal determinou que os policiais, portanto, não tinham bases legais para revistar o caminhão e anularam a condenação.

 

Ryan David Brown/The New York Times
O cabo Garrett Duncan treina um cachorro para detectar drogas para o Departamento de Polícia de Rifle, em Rifle, ColoradoImagem: Ryan David Brown/The New York Times

 

O Supremo Tribunal do Colorado está analisando a decisão e planeja ouvir os argumentos em dezembro. Mas alguns departamentos do estado não estão esperando para aposentar seus cães treinados para farejar maconha.

Arvada, uma comunidade nos arredores de Denver, decidiu aposentar um de seus cães mais velhos, Beaker, por causa desse caso e de outras decisões judiciais. O oficial Brian Laas entregou as tarefas de Beaker a Rudy, um cão mais jovem treinado para detectar quatro drogas ilegais, cocaína, heroína, ecstasy e metanfetamina, mas não maconha.

"Isso tem sido uma coisa realmente difícil para alguns dos departamentos menores que não podem pagar cães treinados", disse Laas, que é presidente da Associação de Polícia K-9 do Colorado.

Cães adequados não são baratos: normalmente custa pelo menos US$ 6.000 (cerca de R$ 23 mil) para comprar um cão de trabalho e outros milhares para treiná-lo. Um morador de Rifle arrecadou dinheiro no site GoFundMe para comprar mais dois novos filhotes de labrador, Jax e Makai, para o departamento

"A comunidade realmente se uniu para nos ajudar", disse o cabo Garrett Duncan, treinador e parceiro do Tulo.

As leis e decisões legais em torno do uso de cães farejadores de drogas são uma espécie de colcha de retalhos, deixando os estados discutindo o que fazer.

Alguns departamentos em estados que legalizaram a maconha decidiram manter seus cães e se arriscar no tribunal, disse David Ferland, diretor-executivo da Associação da Polícia Canina dos EUA, uma organização de treinamento e certificação. Outros mudaram os deveres de seus cães, usando-os apenas em lugares onde a maconha permanece ilegal, como cadeias e escolas.

Muitos departamentos estão tentando se preparar para o futuro descartando a maconha de seus programas de treinamento. "Quase todo estado está tentando se antecipar", disse Ferland. “Quase todo mundo está fazendo com que algumas equipes recém-treinadas não introduzam odores de maconha em seus cães.”

Parte do problema é que os cães idosos realmente têm dificuldade em aprender novos truques. Especialistas como Ferland e Dave Smith, treinador-chefe do canil Ventosa, que vende cães treinados para agências policiais em todo o país, não recomendam a recapacitação.

Mesmo que um cão possa ser treinado para parar de reagir à maconha, não haverá como provar que o cão não cometeu um engano, disse Smith.

“Qualquer advogado de defesa vai perguntar: 'Seu cão já alertou para a maconha?'”, disse ele.

Mesmo que a legalização da maconha esteja forçando a demissão de alguns cachorros fora de um emprego, eles não estão indo parar nas ruas. Cães aposentados normalmente vão para casa com seus treinadores e passam o resto de suas vidas como animais de estimação.

Tradutor: Thiago Varella


UOL

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Paraíba.com.br não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo após o encerramento das eleições de 2018.