X
Dólar
Euro
Sat Mar 23 22:20:07 GMT-03:00 2019

Policial

Buega Gadelha é preso em Brasília; saiba como funcionava esquema que desviou R$ 400 mi

2019-02-19 12:00:00.0
Foto: Reprodução / internet

O presidente da Federação Nacional das Indústrias na Paraíba, foi preso em Brasília no final da manhã desta terça-feira (19). Uma fonte da Polícia Federal informou ao Sistema Arapuan que o empresário foi localizado na Capital Federal. Buega tinha um mandado de prisão contra ele a ser cumprido em Campina Grande, porém, estava em Brasília em agenda na Confederação Nacional das Indústrias (CNI).

O presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Braga de Andrade, também foi preso pela Polícia Federal, assim como o dono da Aliança Comunicação, empresa responsável pel'O Maior São João do Mundo'. 

A Operação Fantoche, investiga um esquema de corrupção envolvendo contratos com o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S, entre elas o Sesi, deflagrada na manhã desta terça-feira (19) em Pernambuco, Paraíba, mais três estados e o Distrito Federal aponta que um grupo de empresas, sob o controle de uma mesma família, vem executando contratos, desde 2002, por meio de convênios tanto com o ministério, quanto com as entidades. Eles já receberam mais de R$ 400 milhões.

De acordo com o delegado federal Renato Madsen, as empresas que são alvo da operação de hoje são investigadas pela criação de empresas de fachada. "Eles criaram empresas sem fins lucrativos para dificultar a investigação do TCU. Queremos investigar até que ponto esse esquema partiu do sistema S daqui e reverberou em outros estados", afirmou em coletiva de imprensa.  

De acordo com a Polícia Federal, a investigação começou há alguns anos, a partir de uma empresa que estava recebendo grande parte de recursos para eventos culturais. Percebeu-se que esses valores estavam superfaturados e que foram criadas empresas de fachada. A investigação conseguiu identificar também que o dinheiro não era destinado totalmente a essas produções culturais.

O nome da operação se deve a um dos festivais realizados pelo Sesi, o Bonecos do Mundo, idealizado por Lina Rosa Gomes. Ela e mais dois dos alvos de prisão da Operação Fantoche são da Aliança Comunicação.

De acordo com a Justiça Federal, a Aliança é a principal empresa beneficiada com os supostos desvios e teria celebrado vários contratos com o Sesi para desenvolver uma série de projetos culturais, como o Cine Sesi Cultural, o mais antigo em execução (desde 2002), Na Ponta da Língua e o projeto Relix.

Em nota, a Aliança afirmou que "os projetos passam por auditorias internas e externas, sem qualquer tipo de restrições quanto a qualidade e a entrega". Além disso, a empresa informou que está se "empenhando ao máximo para esclarecer todos os questionamentos levantados pela Polícia Federal" (leia íntegra da nota abaixo).

A Aliança é, também, a empresa responsável pela realização do São João de Campina Grande (PB) desde 2017, por meio de uma parceria público-privada. O contrato para a festa de 2019 foi renovado e as primeiras atrações já foram anunciadas. 

A Prefeitura de Campina Grande ressaltou que o evento não é investigado pela Polícia Federal e informou que vai divulgar uma nota oficial sobre o caso.

Em nota, o Sesi esclareceu que "todos os contratos de patrocínio do Sesi respeitam as leis de licitação e têm processo transparente publicado em jornais". Eles informaram, ainda, que irão colaborar com as investigações realizadas pela PF.

Foram cumpridos, ainda, outros 40 de busca e apreensão no Distrito Federal, Pernambuco, São Paulo, Paraíba, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Alagoas. Segundo a PF, são investigadas a prática de crimes contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos.

A operação conta com apoio do Tribunal de Contas da União (TCU). A investigação aponta que o grupo costumava utilizar empresas sem fins lucrativos para justificar os contratos e convênios, sendo a maioria para a execução de eventos culturais e de publicidade.

A 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco ainda autorizou o sequestro e bloqueio de bens e valores dos investigados.

Confira quem são os alvos de mandado de prisão da Operação Fantoche:

  • Robson Braga de Andrade - presidente da CNI
  • Luiz Otávio Gomes Vieira da Silva - empresário e um dos donos da Aliança Comunicação. Ele já havia sido preso pela PF em 2013, na Operação Esopo
  • Ricardo Essinger - presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe)
  • Francisco de Assis Benevides Gadelha - conhecido como Buega Gadelha, é presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep-PB) e um dos vice-presidentes da CNI. A Fiep-PB afirmou que Buega cumpre agenda em Brasília (DF) e que a entidade não teve acesso à investigação
  • José Carlos Lyra de Andrade - presidente da Federação das Indústrias de Alagoas (FIEA). A FIEA confirma que o presidente da entidade está em Brasília, mas informa que não teve acesso à investigação
  • Lina Rosa Gomes Vieira da Silva - empresária e publicitária, ligada à Aliança Comunicação
  • Hebron Costa Cruz de Oliveira - advogado e presidente do Instituto Origami. Em nota, a defesa aponta que "toda a sua conduta como advogado e presidente do Instituto Origami sempre foi desempenhada dentro da mais estrita legalidade".
  • Jorge Tavares Pimentel Junior - empresário sócio da empresa Neves e Silva Produção
  • Júlio Ricardo Rodrigues Neves - empresário, sócio da Idea Locação de Estruturas e Iluminação
  • Luiz Antônio Gomes Vieira da Silva - ligado à Aliança Comunicação
Documentos apreendidos na Operação Fantoche chegam à sede da Polícia Federal, no Recife, nesta terça-feira (19) — Foto: Marlon Costa/Pernambuco PressDocumentos apreendidos na Operação Fantoche chegam à sede da Polícia Federal, no Recife, nesta terça-feira (19) — Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press

Mandados na Paraíba

Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, um deles na sede da Federação das Indústrias (Fiep) em Campina Grande. O mandado de prisão foi expedido para o presidente da Fiep-PB, Buega Gadelha, que não estava na cidade, mas em agenda na CNI em Brasília. 

Confira as respostas na íntegra:

  • Confederação Nacional da Indústria

"A Confederação Nacional da Indústria (CNI) tem conhecimento de que o presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, está na Polícia Federal, em Brasília, prestando esclarecimentos sobre a operação deflagrada na manhã desta terça-feira (19/02). A CNI não teve acesso à investigação e acredita que tudo será devidamente esclarecido. Como sempre fez, a entidade está à disposição para oferecer todas as informações que forem solicitadas pelas autoridades."

  • Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea)

"A Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea) tem conhecimento de que o presidente da entidade, José Carlos Lyra de Andrade, está na Polícia Federal, em Brasília, prestando esclarecimentos sobre a operação deflagrada na manhã desta terça-feira (19/02). A Fiea não teve acesso à investigação e acredita que tudo será devidamente esclarecido. Como sempre fez, a entidade está à disposição para oferecer todas as informações que forem solicitadas pelas autoridades."

  • Aliança Comunicação e Cultura

"A Aliança Comunicação e Cultura reafirma seu compromisso em produzir projetos culturais com conteúdo de altíssima qualidade, e que têm se traduzido em sucesso de público e de crítica por quase 20 anos. Ao longo desse tempo, levamos o que há de melhor no mundo das artes para mais de 10 milhões de brasileiros, em todos os estados da federação e no Distrito Federal, sempre com acesso gratuito. Reforçamos, ainda, que todos os nossos projetos passam por auditorias internas e externas, sem qualquer tipo de restrições quanto a qualidade e a entrega de TODOS os itens contratados. Nesse momento, estamos nos empenhando ao máximo para esclarecer todos os questionamentos levantados pela Polícia Federal. É do nosso maior interesse que tudo seja elucidado o mais rápido possível."

  • Ateliê Produções Artísticas

"O Ateliê Produções, empresa pernambucana com 17 anos de atuação no mercado audiovisual brasileiro, esclarece que tem entre os seus clientes a Aliança Comunicação, para a qual presta serviços de audiovisual desde 2004, tendo realizado neste período diversos trabalhos, de projetos culturais a publicitários. Todos estes serviços cumpriram rigorosamente os contratos firmados, cujas comprovações foram entregues nesta terça-feira (19) à Polícia Federal, no intuito de colaborar com a operação deflagrada pela mesma. A produtora, que tem uma vasta carteira de clientes, públicos e privados, além de inúmeras premiações como reconhecimento ao trabalho desenvolvido, manterá sempre abertos o seu portfólio, arquivos e qualquer outros dados que venham a ser úteis aos esclarecimentos buscados nessa ação."

  • Fecomércio, Sesc e Senac

"O Sistema Fecomércio/Senac/Sesc em Pernambuco esclarece à opinião pública que nenhuma de nossas instituições está envolvida na Operação Fantoche, da Polícia Federal, que investiga um esquema de corrupção por meio de convênios com o Ministério do Turismo e algumas entidades do Sistema S. Vale lembrar que o Sistema S é composto por nove instituições corporativas voltadas ao treinamento profissional, pesquisa e assistência técnica e social. O Sistema Fecomércio/Senac/Sesc-PE reafirma que não praticou nenhum ato ilícito e não é citado ou investigado em nenhuma operação ou processo criminal."

  • Posicionamento instituto origami  

O Instituto Origami é uma associação civil de direito privado, independente, sem fins lucrativos e apolítica. E informa que está colaborando com todas as demandas das autoridades no sentido de esclarecer eventuais dúvidas sobre os projetos que realiza.

NOTA À IMPRENSA

A Federação das Indústrias do Estado da Paraíba, tomou conhecimento sobre operação de âmbito nacional, cujo teor das investigações ainda são superficiais, basicamente através de informações da imprensa.

O Presidente Francisco Gadelha está no cumprimento de compromissos em viagem anteriormente marcada e se apresentará espontaneamente às autoridades nesta quarta-feira (20), em Recife, para prestar todos os esclarecimentos que se fizerem necessários e determinou que sejam prestadas todas as informações requisitadas  pelos órgãos competentes para colaborar e esclarecer quaisquer fatos necessários. Ele acrescenta, ainda, que o Sistema Indústria da Paraíba está tranquilo e sem qualquer receio.


Redação com G1 Pernambuco

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.

Notícias Relacionadas